• globalfono

Trocas de sons na fala. Porque algumas pessoas trocam letras ao falar ou escrever?

por Silmara Fator Canassa, fonoaudióloga


Durante a aquisição dos sons da fala é normal que surjam algumas trocas de vocábulos , que são chamadas de processos fonológicos, quando esses processos não são superados na idade esperada, então são chamados de transtornos fonológicos, que se caracteriza pela omissão ou substituição de alguns sons da língua materna. As trocas de sons fazem parte do processo de aquisição da fala e são esperadas até por volta dos 4 anos, quando a criança já está apta a produzir todos os sons, incluindo os mais complexos como os encontros consonantais.



Idade aproximada para a produção correta de cada som:



Os problemas de fala se caracterizam pela dificuldade ou impedimento na produção dos sons (fonemas). As alterações mais comuns são:

trocas: /balata/ para barata; omissões: /peda/ para pedra; distorções: som muito próximo, mas diferente do padrão.


O fonema /r/, como na palavra “barata”, está entre um dos mais difíceis de serem aprendidos, principalmente quando está no que chamamos de grupos consonantais: pra, bra, tra, etc. Portanto, palavras como “parede” podem virar “paiede” , assim como “prato” pode estar sendo pronunciado como “pato”. Como os sons são aprendidos progressivamente, afirmar que uma criança apresenta problemas depende de verificarmos se sua dificuldade é ou não esperada para sua faixa etária. Trocar palavras como “bola” por “pola”, “dedo” por “teto”, “gato” por “cato”, podem estar caracterizando dificuldades de pronúncia, mesmo em crianças pequenas. O mesmo ocorre no caso de trocas como “janela” por “zanela” e “chapéu” por “sapéu”.


Causas


Alterações genéticas, atrasos de desenvolimento.


Otite média de repetição.


Alterações ou imaturidade do processamento auditivo central DPAC.


Desvios fonológicos => se caracterizam por alterações sem uma causa orgânica. Embora a criança possua uma integridade neurológica e das estruturas envolvidas na fala, existe uma dificuldade específica para a pronúncia de alguns fonemas. Na maior parte das vezes, são problemas deste tipo que levam as crianças ao tratamento fonoaudiológico.

O ambiente familiar pode influenciar, de fato, em alguns problemas de fala. Se tratamos uma criança como se ela fosse um bebê, provavelmente ela venha a se comportar como um bebê. E como é a regra, bebês falam errado. Se, ao invés de darmos padrões corretos de pronúncia das palavras, ficamos pronunciando-as de forma errada, como se fossemos crianças pequenas falando, este é o modelo que nossos filhos estarão recebendo e é ele que será tomado como referência. Por outro lado, podemos também estar exigindo acima das possibilidades da criança, ou seja, não estarmos aceitando o que é normail em determinada idade acreditando que seja, de fato, um problema. Este tipo de exigência ou de expectativa, a qual a criança não tem como responder, pode torná-la insegura em relação à sua fala, o que pode agravar ou dificultar ainda mais a aprendizagem dos sons. Pior ainda, a criança pode criar, de si mesma, uma imagem negativa de falante e passar a evitar situações de comunicação, a fim de não expor suas “dificuldades”.


As trocas apresentadas na fala também podem aparecer na escrita , neste caso devemos investigar habilidades envolvidas no desenvolvimento da leitura e escrita.

Na ortografia do português temos diferentes grafemas (letras) para o mesmo fonema (sons), por exemplo , o som (S) pode ser escrito com s,c,ss,ç,sc e x.Para a escrita correta devemos memorizar algumas palavras e saber as regras gramaticais.

Além do uso de letras diferentes para o mesmo som, temos a questão das articulações de cada fonema, por exemplo /p/ e /b/ são fonemas produzidos no mesmo ponto articulatório, a única diferença é o traço de sonoridade /b/ sonoro e /p/ surdo, desta mesma forma existem vários pares de fonemas surdo /sonoros que são bem comuns de aparecerem em trocas fonêmicas.

Quando não superadas na infância essas trocas podem se estender até a vida adulta .


Como auxiliar

Muito frequentemente, crianças podem necessitar de tratamento fonoaudiológico. Nestes casos os pais podem ajudar, o que não significa que serão técnicos da fala, como os fonoaudiólogos. Mais importante, muitas vezes, são as atitudes que devem ser tomadas e que facilitarão a aprendizagem por parte da criança. Embora cada tipo de problema possa demandar um tipo especial de orientação, podemos dizer que, de modo geral, existem alguma regras básicas. Se nossos filhos estão com problemas de fala infantilizada porque estamos oferecendo para eles padrões também infantilizados de pronúncia, o papel dos pais será o de fornecer modelos mais apropriados, de fala não alterada. Se os pais são muito exigentes e seus filhos estão com dificuldades para falar em função de tal nível de expectativas, devem se tornar mais compreensivos e tolerantes.

Qualquer que seja a situação, a criança deve ser incentivada a falar e sentir que há um clima de expectativa saudável no sentido de que ela aprenda a pronunciar as palavras de uma forma correta. Elas podem ser corrigidas indiretamente, não havendo a necessidade de ficar treinando palavras. Se, por exemplo, uma criança diz para mim algo que não entendo, basta dizer, de modo natural, sem uma carga de ansiedade ou de ridicularizarão, “O que foi que você disse? “. É desta forma que nós agimos quando não entendemos o que alguém fala. Solicitamos repetição. Caso a criança diga algo de forma errada, posso corrigi-la dando-lhe, de uma forma indireta e bastante eficiente, o modelo correto. Por exemplo ,se a criança diz “O caio da mamãe quebo” (O carro da mamãe quebrou), eu repetirei a mesma frase, mostrando, ao que compreendi o que ela queria dizer e, ao mesmo tempo, dando-lhe o padrão de pronúncia correta: “Puxa! O carro da mamãe quebrou?”. Estas podem ser formas eficientes e naturais de se ajudar alguém que tem dificuldades.

Ao observar dificuldades tanto na fala quanto na escrita, procure um fonoaudiólogo para avaliação e orientação adequada. O fonoaudiólogo é o profissional apto para trabalhar as alterações de linguagem oral e escrita.


Fontes: Ignês Maia Ribeiro, fonoaudióloga e diretora educacional do IBF – Instituto Brasileiro de Fluência Jaime Luiz Zorzi ,fonoaudiólogo, diretor e professor do CEFAC – Centro de Especialização em Fonoaudiologia Clínica Bee, H. A criança em desenvolvimento, Porto Alegre, Artes Médicas, 2011. Scheuer, C.; Befi-Lopes, D.M, Wertzner. Desenvolvimento da Linguagem: uma introdução. In: Fonoaudiologia Informação para a Formação. Guanabara Koogan, 2003. Wertzner, H.F. Estudo da aquisição do sistema fonológico: crianças de três a sete anos. Revista de Atualização Cientifica, v.7, 1995

Werttzer H.F., Rodrigues Caracterização do transtorno fonológico em Adultos. In Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia,2008 Sep 24-27

17 visualizações0 comentário